sábado, 7 de agosto de 2010

O VELÓRIO

Ao chegarem para a EBD, naquela manhã de domingo, os irmãos levaram um grande susto com um cartaz colocado à porta do templo, que dizia: “Hoje, após a EBD, CULTO FÚNEBRE”.
       Todos ficaram atônitos e preocupados, afinal de contas alguém havia falecido. Mas quem seria esta pessoa? Ninguém sabia informar. O próprio Pastor não havia sido visto naquela manhã, pois chegara muito cedo e estava trancado em seu gabinete.   “Deve estar com a família enlutada”, pensaram.
       Ao final da EBD, o Pastor abriu a porta do templo e convidou a todos que entrassem solenes e reverentes. Todos entraram e deram de cara com um caixão logo a frente do púlpito que, cercado por cordas, impedia o acesso dos mais curiosos que quisessem saber de que se tratava. O Pastor sem demora começou o culto com uma oração e logo após emendou com a ministração da Palavra de Deus. Na ministração, falou das características do falecido. Boas e más ele listou todas as características do falecido sem que servisse de pista de que se tratava, a não ser, que o falecido tinha “ATRAPALHADO O CRESCIMENTO DE ALGUNS” membros daquela igreja.
       Depois de certo ponto da ministração, o Pastor convidou a todos a fazerem fila para ver o morto e depois voltarem aos seus lugares ordeiramente. Quando as pessoas passavam diante do caixão, levavam um grande susto. Alguns choravam, outros ficavam indignados, outros ficavam perplexos. Dentro do caixão encontrava-se um espelho e cada pessoa via seu próprio reflexo nele.
       A partir daí a ministração se dividiu em três partes: na primeira o Pastor usou o texto de Ezequiel 37, onde Deus diz ao profeta para profetizar sobre o vale dos ossos secos e eles passam a viver, dizendo que a igreja não pode mais se colocar como ossos sem vida largados sobre a face do vale. Em segundo lugar, o Pastor usou o texto de Gálatas 2:20 “Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé no filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mi”. Lembrou o significado do Batismo em que morremos para as coisas deste mundo e renascemos para uma nova vida em Cristo,e devemos nos lembrar que se morremos, quem passou a viver foi Cristo. Por fim falou que a pessoa que mais poderia atrapalhar o nosso crescimento, éramos nós mesmos, e que deveríamos lembrar, todos os dias, que se esta pessoa morreu, não há mais desculpas para não crescermos.
       Quer saber o final desta história? Basta se fazer presente nela, fazer parte dela. Assim sendo esta será também a sua história. E então, qual será o final da sua história?
  

Um comentário:

  1. Ficamos impactados quando somos confrotados consigo mesmo e listas de prioridades.letylan@gmail.com

    ResponderExcluir